Friday, 14/12/2018

Os 12 benefícios da manufatura conectada

A segurança na Indústria 4.0

De acordo com a ABINC (Associação Brasileira de Internet das Coisas), os primeiros passos para garantir uma manufatura conectada é entender que a responsabilidade é de todas as frentes de uma organização, e não apenas da equipe de TI, manufatura ou da Diretoria/Presidência. 

“Todas as áreas devem ser envolvidas para identificar as reais necessidades e viabilidade para a transformação”, afirma Maeda da ABINC. "Além disso, é necessário começar pequeno e escalar as soluções aos poucos, buscar parcerias e alianças estratégicas, se espelhar em cases de sucesso, identificar as camadas e profundidade do controle das operações e realizar testes para corrigir os erros com rapidez”, conclui.

Para Paulo da ABINC, é essencial que as empresas do Brasil invistam em cibersegurança na tecnologia do parque operacional das manufaturas, ele comenta o seguinte:

“A integração de sistemas digitais e mecanizados via automação industrial é cada vez mais comum, aumentando a superfície sujeita a um ataque cibernético. Proteger tais ambientes é fundamental, pois são altamente valiosos, sensíveis e precisam fazer parte das estratégias de governança de risco corporativa”, destaca, ao salientar que proteger bem o ambiente de Internet das Coisas industrial contra riscos de vazamentos, paralisações, mau funcionamento e brechas de segurança pode representar um grande diferencial de cada negócio. “Por isso, a proteção de dados e dos ambientes digitais operacionais é um tema de crescente preocupação na Indústria 4.0. Ao lidar com ambientes e informações digitais de maneira correta e segura, alertas sobre invasões, brechas de segurança e vazamentos podem ser emitidos de forma rápida, para que seja possível rastrear a origem do problema e solucioná-lo a tempo de prevenir as piores consequências”, conclui.


Os 12 benefícios da manufatura conectada

1. Conectividade

Permite a conectividade e comunicação segura entre máquinas e equipamentos nos processos produtivos que trazem transparência e controle na produção jamais imaginados, dados reais a todo momento, facilitando planejamentos e tomadas de decisão;


2. Troca de dados

Clientes e fornecedores podem trocar informações em tempo real para antecipar demandas e proporcionar equilíbrio aos processos produtivos;


3. Sensoriamento

Sistema com sensores que conseguem monitorar e detectar pequenos desvios de funcionamento do maquinário, permitindo que o profissional antecipe suas ações;


4. Customização

Traz opções de customização, onde o consumidor pode interagir com aplicativos e ganhar um auxílio na escolha de opções mais adequadas, resultando em personalização de produtos e embalagens;


5. Integração

Permite a integração entre pessoas e máquinas em trabalhos mais complexos, em que o robô executa a parte mais difícil, enquanto o funcionário atua em complemento;


6. Impressão 3D

A manufatura aditiva possibilita a produção de peças via impressoras 3D, que moldam o produtor por meio de adição de matéria-prima, sem o uso de moldes físicos;


7. Simulação

Por meio de simulação, os operadores testam e otimizam o processo e produtos ainda na fase de concepção, diminuindo os custos e o tempo de criação;


8. Cloud

O recurso da computação na nuvem proporciona a digitalização de produtos e processos produtivos;


9. Big Data

Verificação detalhada de números e estatísticas de uma indústria por meio do Big Data Analytics. O sistema identifica falhas nos processos, ajuda a otimizar a qualidade da produção, economiza energia e torna mais eficiente a utilização de recursos;


10. TI + Manufatura

Os sistemas de tecnologia da informação (TI), juntas com as tecnologias operacionais (TO), integram uma cadeia de valor automatizada, por meio da digitalização de dados;


11. Realidade Virtual / Realidade Aumentada

Integração simultânea do ambiente real e virtual por meio da realidade aumentada, tecnologia que proporciona a exibição de imagens virtuais no ambiente real;


12. Segurança de dados

Aplicação de cibersegurança, pois como há muitos equipamentos conectados e a internet é um ambiente aberto, são necessários não só procedimentos de governança de TI, mas de padrões que garantam uma rede segura;


Sobre a ABINC


A ABINC foi fundada em dezembro de 2015 como uma organização sem fins lucrativos, por executivos e empreendedores do mercado de TI e Telecom.

A ideia nasceu da necessidade de se criar uma entidade que fosse legítima e representativa, de âmbito nacional, e que nos permitisse atuar em todas as frentes do setor de Internet das Coisas.

Tem como objetivo incentivar a troca de informações e fomentar a atividade comercial entre associados; promover atividade de pesquisa e desenvolvimento; atuar junto às autoridades governamentais envolvidas no âmbito da Internet das Coisas e representar e fazer as parcerias internacionais com entidades do setor.